ebooks gratuitos

A foca branca de Rudyard Kipling

Um conto de O livro da selva: Kotick, um filhote de foca incomum, pois é todo branco, descobre o mal na figura de caçadores que fazem jaquetas de peles de foca. Imediatamente, inicia sua busca por todos os oceanos do

leia mais
Rudyard Kipling

Joseph Rudyard Kipling nasceu em Bombaim (Mumbai), em 30 de dezembro de 1865, e morreu em Londres, em 18 de janeiro de 1936. Autor de poemas, contos, ensaios e romances, recebeu o Nobel de Literatura em 1907. Admirado por T. S. Elliot e Jorge Luis Borges, Kipling foi porta-voz do ideal imperial britânico. Era repórter da presença de cidadãos e soldados do Reino Unido na Índia e outros países ao final do século 19.

Sua obra é polêmica, pois ao mesmo tempo em que exalta a beleza e os detalhes da Índia, endossa a dominação britânica. Entre seus críticos estavam George Orwell, autor de 1984. Kipling perdeu sua filha Josephine para a pneumonia em 1899 — para quem escreveu as histórias de O Livro da Selva e um filho, John, na Primeira Guerra Mundial.

Abaixo, um trecho do artigo de Nina Martyris para a revista New Yorker:

Kipling é frequentemente ridicularizado como um fanático imperialista que prostituiu seu incrível talento para a propaganda e a política. Mesmo durante a guerra, recebia cartas dizendo que um apoiador da guerra merecia perder seu filho. Mas isso é uma leitura errônea de suas repetidas advertências sobre uma invasão alemã, para que a Grã-Bretanha se preparasse. Certamente se entregava ao culto ao império, mas esse era apenas um dos aspectos desse homem paradoxal e contencioso.

Em sua poesia, dramatiza a guerra como uma aflição primitiva, que desencadeia alegria, raiva e terror. O fantasma de John assombra seus textos, chamuscando-os com raiva. Em “The Children”, por exemplo, o poeta reitera tranquilamente a promessa de retribuição, apenas para retornar a um insuportável impasse: “Mas quem devolverá nossos filhos?” O poema “A Death-Bed” pretende ser abertamente desagradável, comemorando a notícia de que o Kaiser alemão tem câncer. A tristeza e a ira sinistras convergem para uma palavra desdenhosa que ele usava para descrever o homem que considerava ser o responsável pela guerra: o Coisa.

Ricardo Giassetti

Consultor em cultura participativa, remix e inovações digitais. Transitou pelos mercados editorial, jornalístico, publicitário e audiovisual em seus trinta anos de carreira. Criou metodologias para localização cultural em países diversos como China, Índia, União Europeia, Estados Unidos e América Latina. Autor de Gunned Down — Down the River (EUA, 2005) e O catador de batatas e o filho da costureira (Brasil-Japão, 2008). É fundador da Mojo (2006) e do Instituto Mojo de Comunicação Intercultural (2018).

baixar como:


apoie

newsletter

Share

leia também



livros impressos
a cada livro comprado, mais ebooks gratuitos